Olha vida, minhas sinceras desculpas se falhei com você, mas tinha um texto; não, tinha uns textos; na verdade, não teve um texto que tenha sido meu. Pelo menos, não daquela época.

Não fique triste, também não sabia disso, foi uma grande surpresa para mim também. Todas aquelas palavras que saiam de minha cabeça e que sempre acabavam do mesmo jeito não eram minhas! Senti-me péssima, confesso. Acabou que já me acostumei com a ideia.

Nenhuma coisa tava saindo 100% original, sinto que já li umas frases dessas em algum lugar, será?! De qualquer maneira, estou pedindo desculpas atrasadas, vida. Não quero que fique magoada comigo, foi sem intenção alguma.

Agora que vejo mais claramente, não consigo mais lidar com aquilo da mesma maneira, me sinto em um mundo novo. Aqueles textos antigos, vida. Eles não são meus. Quem era eu?

Era um título, uma foto dramática e palavras confusas soltas por todos os cantos! Estava ficando maluca relendo aquilo.

Se você estiver preocupada, posso dizer que me sinto melhor, como aquelas músicas dramáticas de uma artista que não lança música faz tempos. Só estou aqui para constar isso. Eu vinha mentindo para mim mesma e só não queria ver, não precisei de nenhum baque para isso não, foram meia dúzia de textos novos e uma nova garantia de que aqueles eram meus que pronto! Dessa vez não eram formados por cinco frases já conhecidas por mim de algum lugar, da escola, talvez.

Obrigada por ainda estar comigo, vida. A gente se vê no meio de mais decepções por aí.

Deixe um comentário