Foto: Tumblr

Ei! Tudo bem?
Estou muito empolgada por finalmente estar aqui falando sobre um tema que eu sou apaixonada!

Não é de hoje que eu deixo claro para todo mundo que eu conheço que pra mim a fotografia do filme pode dizer se ele vai ser bom ou não. Ela é tão importante e em alguns momentos a gente nem percebe, porém, a sua magia está sempre lá. Um exemplo são os filmes do Tim Burton, a fotografia dele é tão única que nós já até sabemos reconhecer que a obra é dele, não é mesmo?!

Por amar tanto essa parte artística do mundo cinematográfico, separei cinco filmes que possuem fotografias que fazem o meu coração parar de tão lindas! Vocês podem aproveitar as férias que já estão quase chegando para botar em dia esses filmes ou revê-los, afinal, assistir a uma boa obra nunca é demais.


***Antes de começar toda essa lista, quero deixar claro uma coisa que eu sempre repito: Infelizmente, não tenho nenhum vínculo com o mundo dos filmes, não tenho faculdade de cinema, curso, muito menos trabalho na área. Entretanto, sou muito apaixonada nisso e sempre que dá, tento pesquisar coisas novas e contar para vocês.***

Pra quem não sabe, a fotografia de um filme seria a tradução do sentimento da narrativa através das imagens. Como assim? Você em algum momento assistiu algum filme e sentiu algo a mais nele? No visual, ignorando o cenário e os figurinos. Se sim, você provavelmente foi atingido pelo diretor de fotografia. No Oscar temos até uma categoria para essa área. Esse ano o vencedor de melhor fotografia foi para Linus Sandgren com o filme musical La La Land. 

Quando parei para pensar nesse significado, fui atrás de filmes que eu já assisti e que pudessem se enquadrar nos aspectos. Aí eu tive um problema enorme, o que eu mais tinha eram filmes incríveis que mereciam destaques aqui no blog. Então, mesmo sendo quase impossível escolher, peguei obras que foram indicadas ou já ganharam o Oscar, histórias que não vão aparecer no blog tão cedo e, por muitas pessoas terem preconceitos com filmes antigos, eu escolhi aqueles que foram lançados depois de 2010. 

Espero que vocês aproveitem essa postagem assim como eu aproveitei escrevendo. 

Birdman ou A Inesperada Virtude da Ignorância (2014)
Foto: Omelete

Riggan Thomson (Michael Keaton ♥) fez muito sucesso interpretando Birdman, um super-herói que conquistou o mundo todo. Porém desde o momento em que se recusou a atuar no próximo filme do personagem, sua carreira começou a naufragar. Em busca de reconhecimento como um ator sério, ele decide dirigir, roteirizar e estrelar uma adaptação para a Broadway. Todavia, nos ensaios com o elenco, Riggan precisa lidar com seu agente e ainda uma estranha voz que insiste em permanecer em sua mente, a voz de Birdman.

Vocês não imaginam como eu sou apaixonada por Birdman. Pra mim, tudo nesse filme foi perfeito. Eu saí do cinema tão em êxtase que a primeira coisa que eu fiz foi procurar outra sessão para ver novamente. Se vocês querem saber, eu assisti 3 vezes só no cinema, fora dele eu não faço a mínima ideia. 

O filme me encantou principalmente por ser quase sem cortes. Poder ver cada detalhe dos bastidores da Broadway com a impressão de um take, foi uma experiência muito bonita, a câmera é como uma espiã e você assiste tudo o que está acontecendo na vida de Riggan como se você estivesse lá. 

A fotografia do filme ficou por conta de Emmanuel Lubezki, o mesmo de O Regresso e Gravidade. Mesmo que para ele tenha sido seu filme mais difícil da carreira, Birdman foi uma tentativa de algo novo com êxito total. O cenário de Broadway deixou tudo mais grandioso e, quando a cena é pelas ruas de Nova Iorque, o filme não perde sua essência.

Se você ainda não viu, não perca essa oportunidade. Pra quem ama a Big Apple, ama algo bem teatral, caricato e sarcástico, esse é o filme perfeito que ainda trata os temas com críticas ao mundo de Hollywood.

O Grande Hotel Budapeste (2014)
Foto: The Hive

No período entre as duas guerras mundiais, o gerente de um hotel conhece um jovem empregado e os dois viram melhores amigos. Entre as aventuras vividas pelos dois, contam para o público o roubo de um famoso quadro do Renascimento, a batalha pela fortuna de uma família e as mudanças nos acontecimentos históricos durante o século XX.

Eu me apaixonei todinha por esse filme. Saí da sessão maravilhada, principalmente pelas cores e as imagens que o filme trás consigo. O Grande Hotel Budapeste tem cenários com uma magnitude irreal, que destaca principalmente o hotel em que se é passada a história. 

Robert Yeoman é o mestre da fotografia nesta obra. Recentemente ele também estava na parte fotográfica de Caça-Fantasmas: Atenda ao Chamado. O filme tem uma fotografia extremamente minimalista, com cores em tons pastel e super vintage. Muitas pessoas não gostam desse estilo de imagem que a história trás, porém, para uma apaixonada em O Fabuloso Destino de Amélie Poulain, esse conjunto de cores e efeitos só deixou o filme mais cativante.

Apesar de o filme soar muito confuso, por contar uma história dentro da outra, o tema vai se desenrolando no tempo certo, fazendo com que todo o público consiga entender cada detalhe necessário para se fascinar pela obra. Não preciso nem repetir que eu adoro O Grande Hotel Budapeste e acho que todos deveriam assistir quantas vezes puder.

As Aventuras de Pi  (2012)
Foto: AdoroCinema

Pi Patel (Suraj Sharma) e sua família são donos de um zoológico na Índia, porém, devido a nenhum incentivo da prefeitura, eles acabam tendo que fechar o local. Assim então, eles decidem se mudar para o Canadá, onde iriam vender os animais e recomeçar suas vidas. Entretanto, o navio em que se encontravam foi atingido por uma tempestade e somente Pi conseguiu sobreviver ao desastre. Patel passa então a viver em um bote salva-vidas com alguns animais e um tigre.

Claudio Miranda, diretor de fotografia chileno, ganhou o Oscar de melhor fotografia por As Aventuras de Pi. E além desse filme com uma imagem de encantar os olhos, Claudio também foi responsável pela parte fotográfica de outros filmes, como Tomorrowland - Um Lugar Onde Nada é ImpossívelOblivionO Curioso Caso de Benjamin Button e Tron: o Legado. O cara é foda.

Confesso que o filme me irritou um pouco. Teve uma hora que eu não aguentava mais ver mar na minha frente. Porém, entendo completamente os motivos dele ter levado 4 estatuetas para casa. Todavia, quero deixar claro que eles levaram a maioria com os prêmios técnicos, ou seja, melhor fotografia, efeitos visuais e trilha sonora. E eu não discordo nenhum pouco, afinal, a obra é realmente uma arte só. 

Como eu disse, não fui muito com a cara do filme, mas acho que todo mundo deveria conhecer o mar - que eu tanto cansei de ver - que é simplesmente maravilhoso! O filme é todo feito para deixar seus olhos brilhando com o visual. Se eu acho que mereceu o prêmio de melhor fotografia? Com certeza.

Mad Max: Estrada da Fúria (2015)
Foto: Zoom

Depois de ser capturado, Max (Tom Hardy) acaba em uma guerra iniciada pela Imperatriz Furiosa (Charlize Theron) que tenta incansavelmente salvar um grupo de garotas que são "escravas" de Immortan Joe, seu líder. Tentando fugir do vilão da história, Max decide ajudar as mulheres e vive uma constante briga consigo mesmo em que ele não sabe se deve seguir seu caminho sozinho ou permanecer com o grupo.

Chegou a hora de falar do filme mais louco e quase sem nexo nenhum dessa postagem. Não é o tipo de gênero que eu curto muito, mas sabendo que a nova versão de Mad Max não teria o Mel Gibson (ator principal da primeira versão), até que me surpreendi bastante. 

John Seale, que também estava participando da parte artística de Harry Potter e a Pedra Filosofal, nos apresenta um filme cheio de efeitos visuais e com o céu mais maravilhoso de filme! Já falei várias vezes para as pessoas mais próximas e, inclusive, na minha postagem de Fragmentado, eu comentei sobre o céu que eu tanto amo. 

O filme é quase uma guerra constante, porém, todos os efeitos visuais fazem com quem não goste do estilo de obra passe a assistir ao filme encantado. É fogo e explosão para todos os lados, fumaça e cores extremamente fortes. Ah! Tem até um cara em cima de um caminhão tocando guitarra, assim, todo o conflito ganha uma trilha sonora bem pesada. 

Apesar de tudo, graças a John Seale, eu fiquei muito empolgada com o filme. Todas as cores laranja, vermelha e azul, serviram para que a história fosse um verdadeiro quadro artístico. 

Os Oito Odiados (2015)
Foto: Vídeo Geek

John Ruth (Kurt Russell) está transportando uma criminosa que ele pretende trocar por dinheiro. Porém, no meio do caminho, prestes a terem problemas com a crescente nevasca, os dois encontram o caçador de recompensas Marquis Warren (Samuel L. Jackson), e mais adiante Chris Mannix (Walton Goggins), que diz ser o futuro xerife da cidade em que todos estão a caminho. Com o tempo cada vez pior, eles buscam abrigo no Armazém da Minnie, achando lá mais quatro desconhecidos que também estão fugindo das péssimas condições climáticas. Depois de certo tempo, os oito começam a se conhecerem melhor e acabam, inevitavelmente, tendo um confronto uns com os outros.

Só de falar que o filme é do Tarantino muitas pessoas já vão entender algumas coisinhas que vão acontecer durante a obra. Uma delas é o fato de que vai ter sim, muito sangue. E se você começar a achar que tem muito sangue, provavelmente é pouco e vai vir mais. Então para quem não aguenta muita loucura e cenas fortes, eu não aconselho nada do Tarantino, apesar dele ser um diretor maravilhoso e eu achar que todos devam assistir a seus filmes. 

Enfim, A-M-O Quentin, mas não é dele que eu vim falar hoje. Na verdade, Robert Richardson é o cara dessa parte da postagem. O diretor de fotografia estadunidense, já ficou responsável por filmes como Django Livre (Tarantino e DiCaprio juntinhos ♥), A Invenção de Hugo CabretO Aviador e Ilha do Medo

Sendo bem sincera, esse filme não seria e não teria o mesmo impacto se não fosse pela fotografia chocante da obra. O filme foi filmado em 70mm, isso representa o formato do filme, não a distância focal da lente. Usando esse formato, eles conseguem encaixar vários personagens, vários cenários, tudo no mesmo quadro. Por exemplo, na cena em que os oito estão no Armazém da Minnie, enquanto dois estão conversando e o foco está neles, você não precisa necessariamente olhar para o que os dois estão fazendo, já que no fundo, outro personagem está tomando café, outro está fumando e por aí vai. Com o 70mm que Tarantino tanto se gabou por utilizar, o filme te deixa muito mais dentro da obra, o que é sensacional! 

"Se fizermos bem nosso trabalho de transformar esse filme em um evento em 70mm, explicaremos para as pessoas o porquê de isso ser algo que você não pode ver na televisão e como isso é uma experiência que você não pode ter quando vê filmes no seu apartamento ou no seu iPhone ou iPad. Você verá o desenrolar de 24 quadros por segundo, todas essas imagens maravilhosamente pintadas para criar a ilusão de movimento. Eu espero que termine o momento das coisas digitais e que as pessoas digam 'Cara, isso que é ir ao cinema, e isso merece ser salvo e nós precisamos de mais disso!'. Não faremos o 70mm normal, quando você filma em 35mm e amplia. Vamos filmar em 65mm, que depois de impresso é 70mm. A Panavision não está apenas por trás do filme, mas vendo o seu legado. Eles estão inventando um monte de coisas que precisamos e isso está sendo supervisionado pelo meu diretor de fotografia três vezes vencedor do Oscar, que trabalhou comigo em Kill Bill, Bastardos Inglórios e Django Livre. Eu não poderia fazer isso se ele não estivesse comigo. Nós realmente estamos planejando o maior filme em wide screen dos últimos 40 anos." –Quentin Tarantino

Espero que vocês se apaixonem por essas fotografias como eu me apaixonei! Foi incrível escrever essa postagem, por simplesmente falar de uma das minhas partes favoritas dentro de um filme, a fotografia. Quem já assistiu alguma dessas obras, sinta-se a vontade para compartilhar de sua opinião comigo aqui nos comentários, vou adorar saber o que você achou! Quem ainda não viu, espero que tenha vontade de realizar esta ação!

Um beijo e paz no coraçãozinho de vocês! ✩

20 Comentários

  1. Oie

    Que post maravilhoso!
    Também sou muito ligada na fotografia do filme, então adorei.
    Tim Burton é único mesmo, concordo.
    Adorei suas escolhas, muito acertadas. Só o As Aventuras de Pi que também me irritou um pouco rs.

    bjs
    Fernanda
    http://condutaliteraria.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Fernanda! Tudo bem?

      Muito obrigada! É ótimo saber que mais pessoas também se interessam pelo assunto :) Sou louquinha nos filmes do Tim Burton, amo de paixão. As Aventuras de Pi merecia uma versão menor Haha

      Beijos!

      Excluir
  2. Oi Fê. Não entendo nada sobre isso de fotografia. kkkkk. Mas o tipo de tom que eles usam é bem importante para a experiência que a gente tem com o filme. Eu tbm acho que a trilha sonora causa um grande impacto.

    Bela postagem! Muito boa!
    Adoro saber mais sobre isso!

    Beijos
    Literatura Estrangeira

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A trilha sonora muda tudo também! Adoro filmes com ótimas trilhas sonoras :)
      Muito obrigada!

      Beijos!

      Excluir
  3. Menina eu só fã da fotografia no cinema tb!
    Já assisti o do hotel budapeste e realmente a história é confusa a primeira vesta, vc precisa se aprofundar pesquisando e assistindo novamente, mas quando entende vc ama!
    As aventuras de Pi tb ficaram lindas!
    Ahhh post ótimo!!

    osenhordoslivrosblog.wordpress.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah! Que íncrível! Adoro achar pessoas que se interessam pela fotografia :) O Grande Hotel Budapeste é um ótimo filme, lindinho do início ao fim. O mar de As Aventuras de Pi é tudo! Muito Obrigada.

      Beijos!

      Excluir
  4. Oi Cecília, tudo bom?
    Cara, eu adoro muito cinema e acredito que a fotografia seja algo muito particular da linguagem cinematográfica! Adorei o post, apesar de não ter assistido nenhum dos filmes que você mencionou (pode julgar), são filmes muito bem requisitados!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ei, Thalita! Tudo bem?

      Acredito que a fotografia seja tão essencial quanto ter atores para atuar no filme. Você precisa assistir aos filmes que eu falei, eles são incríveis e, realmente, super requisitados.

      Beijos!

      Excluir
  5. Olá, tudo bom?!
    Desses ai eu só assisti as Aventuras de Pi hahaha sou uma cinéfila #fail Mas estou doidinha pra ver o grande hotel e lala land <3
    Beijos, Yasmim.

    Blog: http://literarte.blog.br
    Insta: http://instagram.com/blogliterarte

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ei, Yasmim! Tudo bem?

      Ah! Você não é uma cinéfila por tão ter visto esses filmes, aposto que viu vários ótimos. O mundo cinematográfico é tão grande que é muito difícil acompanhar, infelizmente. Assista O Grande Hotel Budapeste e La La Land sim, a fotografia dos dois são até que parecidas, as duas são muito vivas.

      Beijos!

      Excluir
  6. Olá, amei o post. Gostei bastante a fotografia faz diferença mais a trilha sonora tbm e da um toque especial nos filmes. Por que um filme sem uma trilha sonora e uma fotografia bacana fica um filme bosta para se assistir

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ei, Lara! Tudo bem?

      Concordo em partes com você. Também acho a trilha sonora super importante e costumo reparar muito nela, procuro até no spotify quando gosto.

      Beijos!

      Excluir
  7. Oi!

    Adoreeei as indicações, mas fiquei com Birdman na cabeça por causa dessa coisa de Broadway e caricata, curto muito :D Eu amo as fotografias dos filmes franceses, particularmente, são minhas favoritas. A de Amélie Poulain então... Nossa, que coisa mais linda! Parabéns pelo post!

    Um beijo, Carol
    Blog com V.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ei, Carol! Tudo bem?

      Muito obrigada, é ótimo ter seu comentário por aqui. Birdman é o meu filme favorito de toda a lista. A parte da Broadway é a mais incrível, como pelo visto você gosta, acho que você irá se apaixonar pelo filme. Filme Francês é o meu maior xodó, amo mais que nutella e isso é bem difícil.

      Beijos!

      Excluir
  8. Oi Cecília! Tudo bom?
    As suas escolhas foram fantásticas, só filmão bem conceituados! Acho muito importante a direção de fotografia, no sentindo de prêmio acho mais interessante que a de figurino por exemplo. Adorei o post!
    Beijos.
    Meu Livro Fantástico | Facebook

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Isa. Tudo bem?

      Concordo no que você disse, apesar de também ser muito importante, o prêmio de fotografia é mais interessante que o de figurino. Muito obrigada, foi ótimo ter seu comentário por aqui :)

      Beijos!

      Excluir
  9. Eu também amo fotografia de filmes. Levei muito tempo para entender o que realmente era isso, mas depois que comecei a me interessar por fotografia, eu passei a ver filmes com outros olhos. Desses filmes que você citou eu só assisti dois e As aventuras de pi é fascinante. Parabéns pelo post!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ei, Laila! Tudo bem?

      Quando a gente passa a entender o que seria a fotografia de um filme, a gente já vê a obra com outros olhos mesmo. O que é incrível! As Aventuras de Pi é tão azul, tão vibrante, acho lindo! Muito obrigada!

      Beijos!

      Excluir
  10. Oi Cecí, tudo bem?
    Realmente tenho que concordar, as fotos são incríveis! As Aventuras de Pi está maravilhosa! O filme também não deixa a desejar. E só pela foto de Os Oito Odiados já me deixou com vontade de assistir o filme para saber onde ela se encaixa na trama. O mesmo vale para O Grande Hotel Budapeste!
    Adorei o post!

    beijinhos!
    http://leiturize-se.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ei, Camila!

      Adoro todos os filmes que comentei, bom, acho que você pode perceber isso só de olhar para a postagem. Então pra mim é realmente gratificante ver que você se interessou por duas obras que eu amo! Muito obrigada pela visita :)

      Beijos!

      Excluir