Crônica do dia 24

24 de dez de 2017
Foto: Tumblr

Quando acordei, sabia que esperava por uma mensagem, independentemente da resposta era algo que eu realmente esperava. Depois, mesmo com menos intensidade, aguardei por outras, afinal é véspera de Natal e, por algum motivo, esse dia parece bem mais especial que o dia 25 em si, pelo menos na minha casa.

Isso começou bem antes de eu nascer, mas quando me senti um real ser humano, um ser que respira e já consegue realizar suas ações independentes, entendi que o Natal na minha família nunca foi parecido com um filme americano. Ok! Nenhuma data festiva parece como um filme americano, ou até mesmo o Ensino Médio, coisa que eu só aprendi quando finalmente entrei no Primeiro Ano. De qualquer maneira, minha família sempre foi resumida em 4 e nós 4 sempre andávamos juntos, como Tartarugas Ninjas e, sim, eu sou o Michelangelo. No Natal isso não poderia ser diferente, mesmo que aparecesse uma rápida visita.

O tempo passou e o Natal passou a ser caído, o dia 25 em si, às vezes nem existia e, apesar de eu nunca sentir a necessidade de comemorar, sempre me pareceu estranho não entrar em um clima com músicas natalinas. Hoje, meu Natal tem 3 ou 5, 4 não existe mais, entretanto, pela primeira vez, depois de muito tempo, diga-se de passagem, o dia 24 caiu como uma luva.

Começou com o bem, depois veio passando, correu, voou, e quando percebi, já estava no momento de fazer algumas comidas e terminar os cooks que minha irmã não quis produzir. Depois veio toda aquela agitação de arrumar as mesas, veio aquele momento dramático de pessoas passando e agora, me vejo como 3, mas não vejo a hora de ser 5.

E como todo o Natal, tem Grinch, porque esse sempre foi o meu filme natalino favorito, talvez pela semelhança com o próprio personagem ou... Não sei. Algumas coisas eu não sei, outras sei sim, mas não acredito nelas e o Natal é recheado desses momentos confusos.

Talvez seja por isso que eu não tenho uma afeição tão grande por ele, por todo os espírito forte que ele carrega, espírito que ele é obrigado a carregar. Todo esse clichê natalino sempre me pareceu forçado, mas agora  vejo que não, porque de alguma forma, esse é o momento em que as pessoas aparecem usando a desculpa de "Feliz Natal". Isso é triste, mas é nesse segundo que eu entendi o verdadeiro significado do Natal, e não é reunir as pessoas, mas é ajuda-las a se reencontrarem para pegarem caminhos opostos novamente. Parece mais bonito pensando dessa maneira, pelo menos pra mim.

O Natal, enfim, me pareceu sempre mais uma data a mais. Hoje não. Não mais. Porque eu entendi que o Natal aparecia com um amontoado de sentimentos e eu percebi, finalmente, que as coisas mais importantes nem sempre podem ser comprovadas e é por isso que hoje, dia 24 véspera de Natal, é o dia mais unido, porque as pessoas colocam seus sentimentos acima de tudo, sem ao menos... Perceber.

Então, feliz sentimento para você.



2 comentários:

  1. Que fofo cecília!
    Essa data tem significados muito amplos mesmo, depende de cada um. Achei lindo como se achou nesse final :)

    osenhordoslivrosblog.wordpress.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Awn, muito obrigada! Essa data é muito extensa, acredito que vai muito além do Natal em si :)

      Beijos!

      Excluir